sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Minhas reflexoes sobre o Thanksgiving Day (Dia de Ação de Graças)

Oi Amigos,

Eu tenho um amigo que foi para os Estados Unidos, e me mandou essa reflexão, gostei muito por que mostra um cenário diferente do que estamos acostumados a ver nos filmes estadunidenses.
O que mais me impressionou é o olhar antropológico lançado sobre o evento do Dia de Ação de Graças e as celebrações de fim de ano que acontecem nos Estados Unidos.


 * * *


Amigos e amigas, bom dia.

Este texto eh parte das minhas reflexoes sobre o Dia de Acao de Gracas aqui nos Estados Unidos e o que tenho experimentado e visto nesta terra.

O texto nao esta acentuado pois a configuracao do teclado esta para o idioma ingles e nao tenho acesso para trocar o idioma, entao, leia com cuidado.

Abracos a todos e saudades...


Impressoes de um Dia de Acao de Gracas
About Thanksgiving day

Este foi meu primeiro dia de Acao de Gracas passado aqui na America, contudo este foi o primeiro que passei cercado de "America" por todos os lados.
A celebracao deste feriado eh nacional e tao e mais "sagrada" e respeitavel do que o dia de Natal ou qualquer outro Dia Nacional, ocorre sempre na ultima quinta-feira do mes de novembro e serve (ou devia servir) para lembrar, celebrar e agradecer a Divina Providencia para a manutencao da vida dos primeiros Americanos nao-nativos (sendo politicamente correto) que por aqui chegaram pelos idos de 1620.
Eh tempo para estar com a familia, com os amigos; encher a casa de conversas, risadas; lembrar e compartilhar aquelas historias as vezes nem-tao-engracadas mas que marcaram a vida; usar aquele jogo de jantar especial, tradicional, que foi da sua "great-grandmother"; cobrir a mesa com um farto banquete e ser agradecido por tudo isso e pelo que mais voce quiser ou tiver vontade de agradecer. E ai vem a famosa "liberdade de expressao" e voce pode agradecer pelo celular, pelo peru que morreu e logo sera servido, pela vitoria do seu time favorite de beisebol (ainda nao consegui entender este jogo!) ou de futebol Americano (so fazendo curso intensivo pra entender este), pelo peso que voce perdeu (mas logo vai ganhar de novo), pelo trabalho, pela saude, pela familia, pelos amigos, pelo governo (hein? como assim? alguem me explica este motivo de gratidao!!),…, enfim, cada um tem a oportunidade de agradecer pelo que quiser, tiver vontade, pelo que vier na telha, por qualquer coisa. Tem gente que nao agradece por nada tambem.
Agradecidos ou nao, tem inicio o ballet aereo de bracos, pratos e generosas porcoes de comida por sobre a mesa. O ritmo eh frenetico, intenso, com direito a leves esbarramentos aqui e acola. A quantidade e a variedade de comida chega a ser absurda. Varios e diferentes pratos estao expostos para todo e qualquer tipo de paladar. Para um sul-americano, brasileiro, acostumado com o tradicional, saboroso e aqui por vezes saudoso feijao-com-arroz, confesso que as vezes o duo comida & tempero que eles utilizam aqui nao fica afinado nao. Texturas e sabores diferentes. Milho cozido (delicia) mais uma calda adocicada de cereja (estranho) por cima e o resultado fica horrivel. Abobora cozida com vegetais (muito bom). Creme de vagem com um molho mais ou menos no estilo do molho branco (delicia). Peru cozinho (perfeito). Salada de vegetais com fruta e temperada com azeite balsamico (da pra servir sem o balsamico? Nao!). Obrigado estou satisfeito.
Todos gratos e fartos – ou seria fartos e gratos? – temos ainda que degustar/devorar as sobremesas. Isso mesmo, no plural, "as", sem miseria, tudo no melhor e mais tradicional estilo Americano. De igual modo as sobremesas escrevem outro capitulo nesta historia de Dia de Acao de Gracas. A tradicional torta de maca com ou sem chantilly eh de encher os olhos, a boca e o estomago tambem. A dica do sucesso eh escolher a maca certa (eu ja contei mais de 8 variedades de macas diferentes por aqui!). Outra tradicional e uma torta de limao que, igual a de maca, tem o limao certo. A combinacao da massa da torta mais o recheio com o tal do limao certo deixa esta gostosura uma delicia. Vontade de repetir? Sim. Repeti? Nao! E o medo de passer mal depois, pois eles nao poupam acucar na hora do doce… eh doce demais. A outra torta (e ainda teve o sorvete no final!!) eh a tradicionalissima torta de abobora (veja figura). Minha observacao pessoal: voce tem que gostar muito, mas muito mesmo de abobora para gostar desta torta – exercendo minha liberdade de expressao (rsrs).
E como o dia comecou, ele termina: agradecendo, grato.
Mas Thanksgiving nao eh Thanksgiving se nao for acompanhado da famosa Black Friday. Um dia em que o comercio abre suas portas com promocoes e precos incriveis. Mas longe de ser uma acao que promova o consumo consciente e responsavel, o que se ve nas lojas, magazines, shoppings e centros comerciais eh talvez a melhor definicao do chamado "capitalismo selvagem". Centenas de pessoas literalmente avidas, desesperadas, loucas para consumirem, comprarem de forma, muitas das vezes, descontrolada e irresponsavel, artigos, utensilios, coisas que talvez nunca usarao.
A patetica cena do empurra-empurra da sexta, comeca as vezes 2 dias antes com lugares marcados na frente das lojas que ja avisam que na sexta terao precos arrasadores. Aqui eh assim, voce chega cedo, coloca a sua cadeira, o seu banquinho no lugar (ninguem vai mexer nele, fique tranquilo) e volta pra sua casa, afinal voce tem que agradecer por reconhecer que o Divino tem te sustentado, mantido e dado tudo o que voce necessita. Depois de agradecer voce volta pra porta da loja, la no lugar onde voce deixou o seu banquinho, e como que para dizer que voce e apenas voce - e ninguem mais (nem o Divino) - pode te dar o que voce quiser, ja faz planos do que vai pegar primeiro, e depois, e depois; e faz conta se o dinheiro vai dar e, silenciosamente, se alegra por ter a chance de, por seus proprios meritos e esforcos, poder comprar mais e mais e mais.
Faco uma reflexao pelo que vi e tenho visto aqui. A quantidade de pessoas nas filas diante dos templos de consumo (lojas, shoppings, magazines, centros comerciais) eh inversamente proporcional aquelas que estao dentro dos templos religiosos. A velocidade com que as pessoas se organizam para dispensarem tempo no consumo desenfreado (cada vez aumenta mais a quantidade de pessoas endividadas aqui neste pais) eh assustadoramente maior do que a velocidade com que estas mesmas pessoas se encaminham para as casas de oracao em seus dias de culto. Toda a suntuosidade das grandes igrejas ou o aconchego das pequenas nao esconde o esvaziar da membresia que a passos largos tem trocado o Divino pelo dolar. O compromisso com o sacro por muitos tido e dito como antigo e ultrapassado, tem sido substituido pelo profano que eh atual, moderno e fashion. Criada e estabelecida esta a cultura do "ter" em detrimento do "ser" e uma geracao de insatisfeitos consigo mesmo tem perambulado de loja em loja, de shopping em shopping em busca de alguma coisa, algum objeto que possa preencher o vazio existencial que o deus dolar nao satisfaz.
O Mercado nunca se preocupou com as questoes existenciais mais profundas, nem antes e muito menos agora. Seu mais urgente e unico interesse eh que voce e eu acreditemos que, por nos mesmos, podemos fazer, ter, ser o que quisermos e em nada dependemos de algo superior, algo Divino. Tirar Deus da jogada eh o que importa e neste objetivo as estrategias de marketing nao poupam esforcos para tentar convecer (e a maioria tem sido convencida) de que nao precisa de nada alem de si mesmo para viver. Aos poucos, mas sempre de forma intensa e quase massacrante Deus tem sido colocado de lado. Besteira? Entao veja.
O nome do dia de Natal - Christmas Day – que tem em sua raiz e origem a palavra Cristo (Christ, do Grego Khrīstos e Mas, do Latin Missa), aqui, ja faz muito tempo foi substituido pelo Xmas Day e tirado foi o Cristo do Natal. Para reforcar temos a figura do Papai Noel e toda a historia em torno dele como sendo objeto de veneracao durante as celebracoes nesta epoca do ano. Ate mesmo as criancas sao incentivadas a escreverem ao Papai Noel seus pedidos ao inves de conversarem com o Papai do Ceu sobre seus desejos.
O Thanksgiving aqui nao esta sendo diferente e a substituicao do nome ja tem sido colocada em pratica de forma nao menos intensa e perversa, assim como foi com o Natal. Para alguns o Dia de Acao de Gracas eh agora o dia do Peru (perplexo!!) – Happy Turkey's Day.
Para mim esta iniciativa esta a gritar aos quatro cantos: esqueca a gratidao, voce nao precisa ser grato por nada. Para corroborar com este pensamento colocaram imediatamente apos o ex-thanksgiving (agora eh turkey's day (?!?) a Black Friday como forma de te dar a falsa sensacao de que voce nao precisa de mais nada alem de voce mesmo para conseguir tudo aquilo que voce quer (e nem sempre necessita de fato).
As notas de dolares tem uma frase: IN GOD WE TRUST (Em Deus nos confiamos), mas penso que o politicamente correto seria: GOD HAVE MERCY (Deus tenha misericordia)!
Nao pense voce que este pais tornou-se um lugar sem o Divino, sem Deus. Pelo contrario, existem inumeras e variadas evidencias, a todo o tempo e em todo o lugar da bencao de Deus sobre esta nacao, sobre este povo; mas tal qual nos dias de Noe a Divina providencia e clemencia, muito em breve, nao mais podera atuar neste lugar e entao cada um colhera os frutos daquilo que plantou, cultivou, cultuou durante sua vida. Onde sera que tenho eu posto a minha confianca? Tenho confiado mais nas verdes cedulas de papel onde o nome de Deus nao passa de uma impressao? Tenho confiado em toda a minha "capacidade" para conseguir tudo o que quero? Aonde eu coloco o meu tesouro, as coisas que considero importantes, ali tambem o meu coracao estara.
Que Deus me ajude a colocar-me diariamente sob Seus cuidados e a ser sempre grato por tudo o que Ele tem feito, faz e fara.
Compartilhei com voce minhas reflexoes que tive neste meu Dia de Acao de Gracas!



Autoria: Estefenson Prado

Nenhum comentário: