Todas as Mascotes - Os bonecos que ajudam a divulgar os Jogos Olimpicos

A palavra mascote surgiu na década de 1860 e vem do provençal ";masco";, que significa mágico. Atualmente as mascotes fazem parte do conglomerado de merchandising das olimpíadas. Tornam adultos crianças e fazem as crianças perturbarem os adultos. O objetivo principal que era criar um laço afetivo com o evento foi dando uma antropofágica corrida ao lucro fácil. Inúmeras mascotes descartáveis foram criados e as pessoas continuam a lembrar apenas dos antigos. Simples e eficientes.


Mascote dos Jogos Olímpicos de Verão - Munique 1972 - Waldi


Os alemães tornaram o cãozinho basset Waldi a mascote oficial dos jogos de Munique de 1972. Adesivos, bottons, posters de todos os tamanhos foram produzidos com a presença lucrativa de Waldi. A partir de então, tod os os jogos passaram a ter seu mascote oficial para alegria das crianças e realizadores.

Mascote dos Jogos Olímpicos de Verão - Montreal 1976 - Schneemann


Nos jogos de verão de Montreal em 1976, a dose se repetiu com Amik (castor na língua indígena) que traduz as tradições do país e à associação dos jogos ao esforço natural do animal.


Mascote dos Jogos Olímpicos de Verão - Moscou 1980 - Ursinho Misha e o leão-marinho Vigri



Os jogos de Moscou foram marcados pelo boicote estadunidense e pelo urso Misha, o mais famoso de todas as mascotes. Misha em russo é o apelido de Mikhail, a mascote tinha at� � nome completo: Mikhail Potapych Toptygin. O choro de Misha no encerramento simbolizou o fim dos jogos e a política acima do esporte. Símbolo do país, o urso foi criado pelo ilustrador de livros infantis Victor Chizikov, que demorou seis meses para criar uma centena de variações até chegar ao resultado final. O urso comunista foi comercializado na tradição capitalista: pins, bonecos de pelúcia, selos, porcelana, madeira, vidros e metal encheram os cofres do governo e do mercado-negro. O sucesso de Misha foi tão grande que desbancou uma segunda mascote. O leão-marinho Vigri, criado para ser mascote do iatismo dos jogos, é geralmente esquecido nas matérias sobre a história dos Jogos Olímpicos.

Mascote dos Jogos Olímpicos de Verão - Los Angeles 1984 - Águia Sam


Os EUA não ficara m para trás e na Olimpíada seguinte lançaram a simpática águia Sam, desenhada por C. Robert Moore, veterano desenhista da Disney. A Guerra fria chegava de vez às mascotes olímpicos! Os russos retribuiram ao boicote e não disputaram as olimpíadas de Los Angeles. Enquanto isso, as mascotes eram peças tão fundamentais quanto o recorde de medalhas olímpicas. As duas olimpíadas (1980 e 1984) dos grandes boicotes tiveram mascotes voltados para o público infantil buscando a conquista de corações e mentes. Assim como o urso russo, a águia é um símbolo nacional dos EUA.

Mascote dos Jogos Olímpicos de Verão - Seul 1988 - Tigres Hodori e Hosuni



Em Seul, a linha infantil continuava com o tigre Hodori, desenhado por Kim Hyun. Presente em várias lendas coreanas, o nome da mascote foi selecionado pelos coreanos em mais de 2 mil sugestões. ";Ho"; significa tigre em coreano e ";Dori"; é um diminutivo masculino comum na Coréia. Os temidos tigres asiáticos agora estavam em formato de desenho animado e à venda em bottons e em versões de pelúcia. Assim como Vigri em 1980, Hodori teve uma versão ofuscada, Hosuni, a tigresa, a qual foi praticamente esquecida durante os jogos.

Mascote dos Jogos Olímpicos de Verão - Barcelona 1992 - Cão Cobi

Em 1992 surge um novo tipo de mascote. Após a guerra fria a necessidade de se criar mascotes voltados para as crianças acabou. Cobi, o cão criado por Javier Mariscal para os jogos de Barcelona, começou mal entre seus compatriotas, que esperavam um mascote à altura das edições anteriores. Apesar de le ntamentcair na graça dos espanhóis, muitos ainda se perguntam que animal é aquele.


Poderia piorar? Em 1996, nas olimpíadas de Atlanta, apareceu Izzy. Seu nome original seria ";Whatizit?"; (Oqueéisso?). Criado a partir de sugestões de crianças de todo o mundo, o frankstein de Atlanta foi mudando de aparência até o resultado final, no encerramento dos jogos de 1992. O que não melhorou muito o resultado.


Ollie, Syd e Millie foram as mascotes de 2000. Matthew Hatton criou as mascotes a partir de três animais nativos da Austrália representando a terra, o ar e a água. Os nomes são corruptelas de Olimpíadas, Sidney e Milênio. Pela primeira ve z nos jogos de verão, apareciam em todas as partes mais de um mascote. O intuito é simples, vender em vez de um, três bonecos de pelúcia. Entretanto, a chance de nenhum dos três ficar gravada na memória é muito maior.


 


Nada supera as mascotes dos Jogos de Atenas. Os irmãos Phevos e Athena são tão feios que os gregos os transformaram em impessoas, ou melhor, em inmascotes. Raramente eles aparecem em camisetas, jornais, posters e até em eventos dos jogos. Athena é protetora de Atenas e deusa da sabedoria. Phevos é o deus da luz e da música. Mais uma vez, as mascotes aparecem em grupo e são pavorosos. O formato remete às bonecas encontradas em sítios arqueológ icos.


 
Fonte de Pesquisa: Extraido do Portal Quadro de Medalhas, disponivel em <;http://www.quadrodemedalhas.com/olimpiadas/mascotes-dos-jogos-olimpicos.htm>;, acesso em 16 de Julho de 2008









 

Comentários