terça-feira, 18 de novembro de 2008

A Amazona que Chorou


Ola amigos leitores!
Como vocês devem saber eu gosto muito de ler e de escrever histórias.
Recentemente estava eu no escritório em que trabalho e encontrei, dentro de uma gaveta, uma carta que minha patroa daria a uma amiga sua no dia da morte da mãe dela.
Por algum motivo que eu desconheço minha patroa não a deu, era uma carta muito bonita apesar de triste .
Quando Idealizei essa história pedi para que minha amiga CaCo fizesse uma gravura para ilustrar-la.
Mas esta carta me inspirou a escrever outra historia que estou postando agora, espero que todos gostem.
Comentários serão bem vindos.

A Amazona que Chorou
Adelaide seguia a frente do cortejo fúnebre de sua mãe,atrás dela vinha suas irmãs guerreiras, as Amazonas, as mulheres mas temidas de todo o mundo conhecido na época.
Chovia forte no dia e Adelaide sabia que apartir daquele dia quem seria a comandante das amazonas seria ela. Sentia em seus ombros o peso de manter a honra e poder desta poderosa tribo.
Enfim chegavaram no cemitério onde se encontrava o resto mortal de todas as amazonas, o campo santo das amazonas. A cova que sepultaria para sempre o corpo de Sofia, a melhor de todas as lideres desta tribo de valorosas mulheres guerreiras.
Essas mulheres eram conhecidas por não demonstrarem sentimentos, qualquer demonstração de sentimento era visto como sinal de fraqueza e uma mulher fraca não estava apta para ser parte da amazonas. Adelaide lutava contra seus propios sentimentos, seus olhos estavam cheios d'água, ela não podia demonstrar ser fraca, ainda mais na situação que se encontrava sendo a mais nova líder das amazonas. Uma lágrima teimosa rolou por sua face e seguida desta laguima rolaram-se outras pelos rosto de Adelaide. Graças a chuva que caia fortemente as lágrimas de Adelaide era confundidas com as gotas da chuva.
Vinha-lhe a mente as lembranças de sua mãe, seus treinamentos e as vezes que sua mãe era dura porem sempre terna.
Sentia-se totalmente despreparada para assumir a direcção das amazonas. sua mãe morrerá muito repentinamente. Sua vontade era começar a correr até chegar a um lugar em que ninguém a conhecesse e onde não teria a responsabilidade de manter intacta a honra de tantas mulheres que a seguiam.
Lembrava-se constantemente das historia que sua mãe lhe contava sobre as amazonas que a precederam. Ela se achava indigna de ser o elo fraco de uma tradição de centenas de anos.
Veio-lhe então a mente quando ela estava no campo de batalha com sua mãe e sua mãe fora seriamente ferida, sua vida corria perigo e ficou entre a vida e a morte. Sua mãe deitada na cama, e ao seu lado encontrava-se Adelaide, para da-lhe assistencia. No meio da noite sua mãe despertou do sono e disse a Adelaide que não estava na hora em que ela morreria, Adelaide ficou impressionada com a determinação com que sua mãe disse tao frase. Então sua mãe diz que só morreria quando Adelaide estivesse pronta para liderar as Amazonas. Dentro de poucos dias Sofia estava de pé como se nada lhe houvesse ocorrido.
Enfim Adelaide, viu que sua mãe estava morta pois chegara sua hora, sua mãe nunca deixou de cumprir suas promessas. Adelaide sentiu-se mas preparada para ser a comandante das Amazonas.
Adelaide olha para frente e faz um sinal para que as outras Amazonas cessacem de velar o corpo frio de sua mãe. A jovem começa a se encaminhar para fora do Cemierio das Amazonas. Todas as Amazonas empunham suas armas de guerra e começam a seguir sua mais nova lider.
Nesse intante uma das amazonas se aproxima de Adelaide e lhe diz:Ainda não terminamos de velar o corpo de Sofia.
Olhando nos olhos desta outra Amazona Adelaide responde: Deixa os mortos sepultar os seus próprios mortos. se minha mãe não está mas aqui é por que sua missão acabou-se e ficar aqui venerando seu cadaver de nada nos ajudara.

Nenhum comentário: